Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Seleção de Idioma

Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Varejo

Jussara Maturo - 04/05/2017

Hering avança em receita e lucro

Só os ganhos do primeiro trimestre subiram 30% em relação a igual período do ano passado, enquanto a expansão de faturamento foi mais modesta.

Depois de dois anos convivendo com queda de consumo, que refletiu em faturamento e lucro menores que no passado, a Cia Hering apresentou os resultados do balanço financeiro do primeiro trimestre de 2017 com otimismo cauteloso. O lucro líquido da empresa cresceu 29,2% sobre o primeiro trimestre de 2016, alcançando R$ 37,82 milhões. A expansão da receita líquida foi mais modesta, aumentado 4,5% para R$ 328,49 milhões.

A companhia avalia que o bom desempenho reflete sinais de um início de recuperação da economia brasileira que se estendeu por abril, apesar do menor número de dias úteis no mês por causa da sequência de feriados. A avaliação otimista propaga-se pelo segundo trimestre, tradicionalmente forte por conta do movimento gerado no varejo pelo Dia da Mães e pelo Dia dos Namorados.

AVANÇOS EM MULTIMARCAS
No caso da Hering, a companhia ainda atribui parte dos bons resultados à melhora observada entre as multimarcas. A recuperação desse canal foi propiciada pelo projeto de segmentação que identificou revendas promissoras para as quais foram elaboradas políticas comerciais especiais. Também encontrou certa estabilidade do número de clientes lojistas, fechando o primeiro trimestre do ano com 17.337 multimarcas. Avalia ainda que o ambiente geral melhorou. Nesse período muitas lojas fecharam, ciclo que parece ter chegado ao fim, e a concorrência disputou o canal multimarcas com guerra de preço que aparentemente arrefeceu entre janeiro e março.



Como parte dos fatores internos de retomada, a Hering entende que os resultados foram também impulsionados pelo acerto da coleção de inverno, o relançamento da linha de básico, na qual o jeans está incluído, pela reposição rápida de estoque para evitar quebra de grade nas lojas e perda de vendas. Os investimentos nesse primeiro trimestre somaram R$ 4,6 milhões, que representam recuo de 20% quando comparados a 2016, basicamente porque o projeto SAP foi concluído, implementação que demandou mais desembolso no ano passado.

REDE DE LOJAS
As quatro marcas melhoraram as vendas de janeiro a março, com destaque para a Hering Kids que registrou aumento de 19% no faturamento. A rede de lojas continua a sofrer ajustes. Encerrou março com 821 lojas, 13 a menos das que operavam em dezembro: foram fechadas 11 da Hering Store e duas da PUC. Segundo a empresa, algumas das lojas da Store foram fechadas e outras franquias foram transformadas em pontos próprios. Assim, a Hering Store mantinha em operação em março 663 unidades, 19 a mais do que reunia em dezembro.

Com duas unidades a menos, a PUC terminou março com 61 lojas. Hering Kids e Dzarm mantiveram o tamanho: 106 e três pontos, respectivamente. O relatório que acompanha o balanço destaca ainda bom desempenho das vendas lojas outlets.