Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Seleção de Idioma

Sábado, 19 de Agosto de 2017

Gestão

Ana Luiza Mahlmeister - 05/05/2017

Plataforma oferece serviços para pequena empresa de moda

Grupo Landinvest e Dunas Plus estão investindo R$ 45 milhões em um outlet em Natal (RN) e em um marketplace de serviços e crédito.

O investimento em um outlet em Natal, no Rio Grande do Norte, mostrou ao grupo Landinvest e ao Fundo de investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Dunas Plus, de capital americano, as carências das micro e pequenas empresas na área de moda e também as oportunidades do segmento. “De crédito a serviço de logística, tudo é mais complicado para o microempreendedor”, afirma Roberto Carvalho Dias, um dos diretores da Landinvest. A resposta foi a criação da Plataforma da Moda, um marketplace para oferta de serviços e crédito às confecções e empresas da cadeia, facilitando a aquisição de insumos e maquinário. O sistema B2B (business to business) permite que as empresas ganhem escala e consigam, por exemplo, fazer compra direta da fábrica.

O grupo está investindo R$ 45 milhões em tecnologia e sistemas e no outlet de Natal, e reservou R$ 120 milhões por mês para liberar crédito com uma taxa de 4,9% ao mês. “Diferente dos bancos, já inclui a taxação de risco e a antecipação de crédito mantendo a taxa fixa”, afirma Dias. A Plataforma da Moda viabiliza o acesso direto ao estoque dos fabricantes que participam do marketplace, com redução de custo estimado de 30% a 40% e crédito de 30 dias. Para o fornecedor de insumos – fabricante ou importador, por exemplo – a gestão e a análise de crédito é auxiliada por serviços especializados de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FDICs), explica Dias. O foco é usar a operação de antecipação dos recebíveis, dando mais prazo para o pagamento dos insumos.

COMÉRCIO ONLINE
A plataforma pretende abranger desde o fabricante de insumos, serviços de logística, maquinário e confecção de roupas. “As confecções e tinturarias têm limitação de crédito e ganham escala ao comprar de forma fragmentada, como uma facção, e com acesso ao crédito”, explica Dias. O marketplace oferece sistemas de gestão empresarial (ERP), gestão de qualidade, logística, recuperação de crédito e serviços jurídicos. A vantagem, segundo o diretor, é que a empresa pode negociar em volumes maiores e obter descontos em logística e sistemas. As empresas podem participar do comércio eletrônico para a venda de seus produtos online com produção de fotos da coleção realizadas por uma empresa parceira, que presta serviços para a plataforma.



Ainda existe muita informalidade no segmento da moda, apesar de a maioria das empresas estar enquadrada no Simples ou no lucro presumido. “Muitos fretes são feitos sem nota, encarecendo o produto em outras pontas da cadeia. Negociar a logística em conjunto permite que a empresa participe de uma cadeia maior e tenha acesso a seguro”, ressalta Dias. O marketplace oferece, por exemplo, um sistema de embalagem de roupas que reduz em quase 50% o tamanho do fardo, barateando o custo do transporte, diz.

O fundo de investimentos Dunas está há 20 anos no mercado e aperfeiçoou um sistema de identificação de inadimplência, antecipando recebíveis até determinado nível, conforme o perfil da empresa. Entre as vantagens da plataforma, de acordo com Dias, está a rapidez do processo: o crédito é aprovado em menos de duas semanas.

CENTRO COMERCIAL DE NATAL
A Landinvest e o Dunas Plus estão investindo na construção do Natal Moda Outlet – complexo comercial e industrial de moda, consumo, serviços e lazer projetado no Rio Grande do Norte, e que deverá ser entregue neste ano. Serão 500 lojas, entre fabricantes de atacado e varejo que terão acesso à Plataforma da Moda. O empreendimento terá opção de lazer, compras, alimentação e serviços públicos, integrado com o Aeroporto Internacional de Natal, que fica a sete minutos do Centro Comercial, e por onde circulam 2,5 milhões de turistas por ano.

O Natal Moda Outlet contará também com um centro de prestação de serviços do governo da Rede Cidadã, com previsão de 5 mil a 15 mil visitantes por dia. Nesta primeira fase serão entregues 17 mil metros quadrados de área com o fomento de 10 mil empregos diretos e indiretos, segundo estimativas do grupo.