Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Seleção de Idioma

Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

Varejo

Jussara Maturo - 12/05/2017

Restoque diminui perdas em 2017

Resultados do primeiro trimestre mostram evolução da receita e medidas duras como o fechamento de 20 lojas da rede própria.

Os indicadores encontrados no balanço financeiro do primeiro trimestre da Restoque mostram melhora no desempenho da companhia que controla as marcas Le Lis Blanc, John John, Dudalina, Individual, Base, Bo.Bô, Rosa Chá. A receita líquida avançou 19,5% em relação ao primeiro trimestre de 2016, subindo para R$ 297,18 milhões. O prejuízo líquido quase 60% para R$ 10,25 milhões entre janeiro e março, quando em igual período do ano passado as perdas somaram R$ 24,20 milhões.

Entre as medidas tomadas, a decisão de encerrar a operação de 20 lojas da rede própria de varejo no primeiro trimestre do ano. Foram fechados pontos de venda de todas as marcas. Apesar do aumento de 42% no faturamento trimestral, o maior entre as bandeiras, a John John perdeu sete lojas, fechando março com 55 unidades. A Le Lis Blanc ficou com 105, seis a menos do que tinha em dezembro. Da Rosa Chá, a companhia decidiu desativar três lojas, duas da Bo.Bô e duas da Dudalina.



De acordo com a companhia, o canal de atacado também melhorou. O faturamento bruto no primeiro trimestre cresceu 17,5% sobre igual trimestre de 2016, alcançando R$ 113,7 milhões. O melhor desempenho é atribuído à marca jovem John John cujas vendas para multimarcas subiram 67,1% no período, sendo que o faturamento bruto da marca foi de R$ 47,2 milhões. A rede Le Lis Blanc sustenta a maior parte da receita da holding, tendo contribuído de janeiro a março com R$ 140,5 milhões.

Dudalina e Bo.Bô também cresceram nos primeiros três meses do ano, 36% e 9,6%, respectivamente, mostra o relatório de desempenho trimestral da companhia. Diminuíram vendas, a Base (-18,1%) e a Individual (-3,8%). A Rosa Chá também perdeu espaço, com queda de 17,2%.

NOVA REESTRUTURAÇÃO DA ROSA CHÁ
Para essa marca, a empresa prepara mudanças a partir de julho, quando lança a coleção do verão 2018. O mau resultado é justificado pela decisão do ano passado de posicionar a Rosa Chá em outro patamar, com preços mais baratos do que praticava até então. “A equipe de liderança da marca foi substituída e seu posicionamento redirecionado novamente para o alto padrão”, explica a empresa em relatório direcionado aos investidores.

A Rosa Chá foi comprada pela Restoque em 2012. Criada em 1993 por Almir Slama como grife de beachwear, a etiqueta foi vendida em 2006 para a Marisol.