Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Selecionar de Idioma

Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Internacional

Redação - 17/11/2017

Americanos testam tecnologia de tingir denim por espuma

Evento em centro de pesquisa da Texas Tech University apresentou o sistema desenvolvido por IMD e a Gaston System, com apoio da Wrangler, da Lee e da Walmart Foundation

Grandes vendedores globais de jeans, Wrangler e Lee deram sinais de que pretendem comprar denim cujos fabricantes invistam em processos que demandem menos água na produção. Por isso, as marcas junto com a Walmart Foundation, estão financiando o projeto IndigoZero, de tecnologia à base de espuma para o tingimento de fios de denim com corante índigo, no lugar dos tradicionais tanques de banhos de tinta, utilizados pela indústria. O novo sistema proporcionaria redução no consumo de água e de produtos químicos. A nova tecnologia junta o trabalho das americanas IMD (Indigo Mills Designs) e a Gaston System.

Segundo comunicado ao mercado da IMD, a tecnologia de geração e aplicação de espuma da Gaston foi incorporada à máquina de pesquisa do Fiber e Biopolymer Research Institute, da Texas Tech University. “Agora, devemos trabalhar a fim de dimensionar o design da máquina de pesquisa para uma unidade de produção de tamanho completo”, informou Chris Aurich, diretor-gerente da Gaston Systems. Do evento realizado na quarta-feira, 15 de novembro, participaram representantes da indústria, tanto do vestuário como fabricantes têxteis.

foto fios de índigo (crédito: GBLjeans)

O uso de espuma para tingir denim com corante índigo já foi empregado antes mas com aplicação limitada em função das reações químicas do índigo quando exposto ao oxigênio. Ainda de acordo com as empresas, a tecnologia do centro de pesquisa da Texas Tech University superaria essa limitação sem perder a qualidade de tingimento dos processos convencionais.

O sistema de tingimento por espuma também permitirá que as fábricas de tecido consigam produzir quantidades menores, diferentemente do que ocorre com os processos convencionais, de larga escala. Segundo a IMD, essa condição dará à indústria têxtil maior flexibilidade, tanto do ponto de vista produtivo, quanto no desenvolvimento de produto.

De acordo com informes da imprensa internacional, se os equipamentos convencionais com tanques de tingimento têm em torno de 300 metros de comprimento, na extensão dos quais o fio passa para ser impregnado, o sistema da IMD e da Gaston tem apenas nove metros, viabilizando a produção de lotes menores.