Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Selecionar de Idioma

Quinta-feira, 19 de Julho de 2018

Gestão

Ana Luiza Mahlmeister - 16/01/2018

Lavanderia Cristal opera em novo espaço e maior

Empresa investiu na área ambiental e dividiu a linha de produção em células para ganhar produtividade

Para melhorar os fluxos internos e ampliar a capacidade instalada, a lavanderia catarinense Cristal mudou para um novo endereço, na mesma cidade, em Rio do Sul, passando a ocupar 4 mil metros quadrados de área construída, o dobro da antiga unidade, como estava previsto. A empresa conta agora com capacidade instalada para processar 300 mil peças por mês ante 200 mil no outro endereço.

A nova infraestrutura permite que os funcionários sejam mais produtivos, refletindo também na qualidade dos produtos, destaca o proprietário da lavanderia, Sandro Luiz Martins. A unidade recebeu investimentos na área ambiental com a automação das caldeiras, gerando redução de 20% no consumo de energia elétrica e vapor. Novos equipamentos de ozônio permitem o reúso de 40% de água, reduzindo em 40% a geração de efluentes, estima o empresário. O layout renovado foi dividido em células produtivas, compreendendo estação de desenvolvimento, laser, lavagem e acabamento final.



A lavanderia conta com 40 equipamentos de lavagem automatizados, interligados ao software Gestum, da Multitherm, que faz a gestão e controle da produção, com dados sobre a capacidade de cada área, o tempo de permanência do lote e o fluxo em cada setor. Na parte de tingimento, por exemplo, a automação diminuiu o reprocessamento de peças com economia de insumos, ressalta Martins.

A Cristal atende 40 clientes e terminou 2017 com crescimento de 5% no faturamento, mesma taxa de expansão obtida em 2016. Com o desaquecimento das vendas, a empresa manteve a produção de 200 mil peças por mês apesar de ter uma capacidade instalada para o processamento de 300 mil peças. “Chegamos ao final de 2017 com o mesmo número de clientes e volumes processados, praticando preços menores que em 2016”, diz Martins. Para 2018, com a retomada das vendas das confecções de jeans, o proprietário espera um crescimento de 10% na receita.