Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Selecionar de Idioma

Sábado, 22 de Setembro de 2018

Economia

Redação - 04/04/2018

Indústria inicia o ano contratando

Tanto os fabricantes de itens têxteis quanto as confecções abriram vagas de emprego formal em fevereiro, desempenho oposto ao apresentado pelo varejo de moda

A oferta de vagas de emprego com carteira assinada continuou a crescer em fevereiro na indústria de itens têxteis e de confecção de roupas, mas o ritmo diminuiu em relação a janeiro. Foram abertos 4.537 postos de trabalho no mês, em empresas de todo o país. Mas, as de Santa Catarina novamente puxaram a alta, ao contratarem 3.848 funcionários para esse setor em fevereiro, mostra o levantamento mensal baseado no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado pelo ministério do Trabalho. Paraná é o segundo estado que mais contratou, tendo aberto 369 vagas, seguido por Goiás, com 310 contratações.



No comércio, os atacadistas de roupas, calçados e tecidos contrataram mais do que demitiram, deixando em fevereiro saldo positivo de 107 empregos. A maioria dos estados abriu vagas, sendo que o Paraná lidera com a oferta de 44 vagas a mais do que tinha em janeiro, Santa Catarina com 26 a mais e o Rio Grande do Sul com 21 mais. O Maranhão foi o que mais cortou postos no atacado, fechando 14 vagas.

No comércio varejista de moda, o saldo continua negativo. Em fevereiro, as lojas fecharam 8.621 vagas de empregos formais, que junto com as demissões de janeiro, praticamente zeraram o reforço dos temporários entre outubro e dezembro. O varejo de São Paulo foi o que mais enxugou, ao cortar 1.763 empregos, enquanto o Rio de Janeiro encerrou outros 1.575 e Minas Gerais ficou com 963 postos a menos do que tinha no mês anterior.

De acordo com o Caged, em fevereiro no país como um todo foram criadas 61,1 mil vagas formais de emprego.