Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Selecionar de Idioma

Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

Economia

Jussara Maturo - 06/09/2018

Inflação de moda sobe 0,19% em agosto

No mês, país teve baixa de -0,09%, a menor taxa para um mês de agosto desde 1998, diz o IBGE

A cesta de moda, que inclui roupas, calçados e acessórios, joias e bijuterias, tecidos e itens de armarinho, teve aumento de inflação de 0,19% em agosto, mês em que começa a troca das vitrines para coleções de primavera. O resultado representa uma pequena alta em relação a julho, mês das liquidações mais fortes, que foi puxada sobretudo pelos aumentos nos preços das roupas femininas de 0,51%, mostra a pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para formação do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial brasileira.

Segundo o levantamento, o índice de agosto variou -0,09% abaixo do resultado de julho (0,33%). “Foi a menor taxa para um mês de agosto desde 1998, quando o IPCA registrou -0,51%”, afirma o IBGE. A retenção nos preços de alimentos, bebidas e dos transportes explicam o recuo. O comportamento dos outros sete setores foi de alta, variando entre 0,03% (Comunicação) e 0,56% (Artigos de residência).

A inflação geral acumulada de janeiro a agosto corresponde a aumento de 2,85% em relação a igual período de 2017. Para os economistas, essa variação é pequena e reflete a estagnação da economia.



DESEMPENHO DE MODA E CUSTO NAS CAPITAIS
Em agosto, com a menor taxa do ano, a inflação de moda foi afetada pelo aumento das roupas femininas (0,51%), pelo de joias e bijuterias (1,84%) e pelo de tecido e armarinhos (0,47%), mostra a pesquisa do IBGE. O IPCA dos demais itens da cesta ficou negativo: roupas masculinas (-0,11%), roupas infantis (-0,14%), calçados e acessórios (-0,24%).

Das 16 capitais com IPCA em destaque na pesquisa do IBGE, seis tiveram baixa. Os três maiores recuos foram encontrados em Porto Alegre (-0,59%), Recife (-0,51%) e Belém (-0,48%). As três maiores altas em moda foram registradas por Goiânia (1,67%), Distrito Federal (1,38%) e Salvador (0,92%). Maior mercado do país, a cidade de São Paulo variou 0,35% acima do IPCA de julho (-1,06%).



ACUMULADO DO ANO EM MODA
Apesar de considerada baixa, a inflação brasileira acumulada de janeiro a agosto teve variação positiva de 2,85%. Não foi o caso de moda, que acumulou em oito meses 0,41% de queda em relação ao mesmo período de 2017. A contração atingiu os dois principais produtos da cesta de moda: roupas (-0,51%), calçados (-1,26%), enquanto tecidos e armarinhos, joias e bijuterias tiveram alta de 1,63% e 4,56%, respectivamente.

O viés de baixa em roupas permeou os três segmentos. A maior taxa de redução foi assinalada pelo vestuário masculino (-1,11%), seguida por roupas infantis (-0,20%) e por roupas femininas (-0,12%), diz o IBGE.