Acesse o GBL Jeans

Esqueci minha senha

Cadastro

Seleção de Idioma

Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

Comunidade iLtda

Redação - 03/09/2014

Lixo têxtil usado para cultivar árvores da Mata Atlântica

Elas Ecomodas está implantando um viveiro para cultivar cerca de 3 mil mudas da palmeira Palmito-juçara em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro.

Com tradição em projetos sustentáveis, a confecção de moda para bebê Elas Ecomodas, de Nova Friburgo (RJ), está implantando um viveiro para cultivar cerca de 3 mil mudas da palmeira palmito-juçara. A iniciativa faz parte do Projeto Ambiental Elas Preservando que consiste no reaproveitamento de lixo têxtil para cultivar mudas de árvores originárias da Mata Atlântica. São reaproveitados cones de linhas vazios gerados pelas confecções de Nova Friburgo, usados como recipientes para armazenar a terra.

Para montagem do viveiro, a Elas Ecomodas firmou parcerias com seis empresas da região: a Pedrinco; a HN Comunicação Visual; a Serraria ACN; a Horto Terra Viva; a Fritubos; e a JP Distribuidora Rocha. O local onde o berçário de árvores está sendo montado é o Parque Municipal Juarez Frotté com o apoio da Secretaria de Turismo de Nova Friburgo. Ainda faltam alguns acessórios para concluir a instalação como uma tela de sombreamento que será usada para revestir toda a estrutura do viveiro.

Os frutos do palmito-juçara, cuja espécie está ameaçada de extinção, servem de alimento para mais de 60 animais e aves que vivem no bioma da Mata Atlântica, além da gastronomia. Depois de desenvolvida no berçário da Elas, a polpa extraída dos frutos será doada através do programa Plante árvores e salve a Mata Atlântica, para serem plantadas na região serrana do Rio de Janeiro. O projeto, que contará com um sistema de irrigação, busca um terreno maior onde serão cultivados mudas em grande escala e construída uma sede cujas paredes serão feitas em 90% de lixo têxtil em parceria com a Associação de Engenheiros e Arquitetos de Nova Friburgo.

O viveiro de mudas também envolverá estudantes. Escolas da região receberão um comunicado via correios, e as primeiras a manifestarem interesse serão convidadas a participar fazendo o acompanhamento periódico das mudas, cuidados com as árvores e pesquisas.