Lightning Bolt volta e com produção local

Lightning Bolt volta ao Brasil com produção local

Coleção de retorno da marca de surf ao Brasil inclui roupas confeccionadas em sarja colorida.

A marca de surf Lightning Bolt volta a ser comercializada no Brasil por intermédio de representantes locais. Além das pranchas, a coleção de retorno inclui peças de vestuário com produção local, interessada em conquistar consumidores atraídos pelo lifestyle surfista.

Inicialmente são modelos masculinos de bermuda, calça e jaquetas feitos de sarja colorida, informa a empresa ao GBLjeans. Em entrevista ao jornal Meio & Mensagem, Carlos Perrone, dono da agência Seller e sócio de Kiko Bonventi (da Kikos Fitness), disse que a expectativa é lançar até o final do ano uma coleção feminina e outra infantil da Lightning Bolt no país.

A coleção masculina envolve ainda boardshorts, camisas, moletons e acessórios de moda, como bonés e mochilas. Por enquanto, a venda está restrita ao ecommerce da marca no país.

Na parte de vestuário, a intenção é lançar um drop por estação.

Faz parte dos planos dos representantes locais abrir três lojas físicas de varejo em 2022. Avaliam ter pontos nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, e a terceira a ser decidida.

CINQUETINHA

Para retrabalhar o Brasil, coloca no ar a primeira campanha, fotografada por Franco Amendola, com o surfista e designer Max Motta.

A Lightning Bolt completa 50 anos em 2021. Foi criada no Havaí pelos surfistas Gerry Lopez e Jack Shiple como uma empresa de design e fabricação de pranchas.

Além da linha de roupas e acessórios, a marca segue comercializando pranchas com os famosos shapes dos anos 1970 e 1980, além de longboards e stand-up paddles.

A marca teve passagens pelo mercado brasileiro na década de 1990 e depois em parte dos anos 2010.

Desde 2006, a Lightning Bolt pertence ao grupo português TMG, responsável pela produção em Portugal da linha de vestuário da marca.

GALERIA DE FOTOS

previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider