Lycra e Vicunha anunciam novidades

Lycra e Vicunha anunciam novidades

Empresa de fios divulga que o fabricante nacional é o primeiro a usar a fibra EcoMade, além de lançar a tecnologia anti-slippage.

Lycra e Vicunha anunciam novidades
Vista do estande da Lycra na Intertextile Shanghai, em setembro.

Durante nova edição da Trends Session Jeanswear, realizada para o mercado brasileiro, a Lycra anunciou duas novidades. Informou que a Vicunha é o primeiro fabricante nacional a incorporar a fibra EcoMade, elastano produzido com 20% de material reciclado de pré-consumo. Conforme Renata Guarniero, gerente de marketing da Vicunha, que fez o anúncio no evento realizado pela web, a fibra será empregada em artigos que compõem os lançamentos da empresa em novembro.

Serão três bases com EcoMade – uma de denim e outras duas de denim color (sarja). “Esses artigos são uma mescla de diversas inovações de fibras recicladas. Tem Tencel refibrado, EcoMade, poliéster reciclado pós-consumo e algodão reciclado”, explicou Renata. Os produtos chegam ao mercado com a certificação GRS. Também a fibra da Lycra obteve o selo GRS para a EcoMade.

Para os três novos tecidos, além do material reciclado, a Vicunha investiu em tingimento à base de resíduos naturais. Usa sobras agrícolas, como casca de amêndoa, castanha, palmeira do palmito, acrescentou a gerente da empresa.

Lançada no mercado global em junho de 2018, a fibra EcoMade tem produção na planta da Lycra em Paulínia, destacou Jocimar Faé, marketing técnico e desenvolvimento da unidade de jeanswear da empresa no país, no mesmo evento.

LANÇAMENTO NO FINAL DO ANO

Denise Sakuma, vice-presidente global de marketing e comunicação da Lycra, contou que em setembro a empresa lançou o elastano anti-slippage durante a Intertextile Shanghai, feira do setor que mesclou área de exposição física com sessões virtuais. A companhia está em processo de patente para a Anti-Slip Fiber, disse a executiva.

Basicamente, o novo fio reduzirá um problema comum em roupas feitas de jeans elástico durante o processo de produção – a fuga de elastano. Isso porque suporta atrito maior que o normal, aderindo mais ao algodão, resumiu Faé. De acordo com o executivo, o produto chegará ao Brasil entre novembro e dezembro para os fabricantes testarem.